caro diário

piscou, a sala mudou!

*tirando a poeira*

No post de hoje vou mostrar como ficou a sala ao apagar das luzes de 2017. Me fala de um ano que passou mais corrido do que 2017!? Piscou, dezembro chegou, hahaha!

Depois de oito meses resolvi dar adeus à meia-parede rosinha por motivos de: enjoei. Acontece nas melhores famílias, gente. ;).

Confesso que me acontece com uma certa frequência. Na época da parede cereja, lá no apartamento de 2016, menos de dois meses depois de pintar a parede havia enjoado da cor. Mas naquele caso não me animei a atualizar a cor da parede, o que no final foi bom porque logo passei a ter problemas com os vizinhos de cima e tive que mudar.

Voltando ao rosinha: amei o rosinha, fui muito feliz com o rosinha mas foi hora do rosinha partir. Lerigou, rosinha!

Nada impede que você leitor/a adote o rosinha. Aqui tá o post da parede geométrica, onde tem a cor exata que usei.

A dupla “cores claras” + “acabamento fosco” costuma resultar numa maior probabilidade das superfícies sujarem e a sujeira ficar aparente. O acabamento fosco dificulta um pouco a limpeza que vá além do pano úmido. Este foi mais um fator que contribuiu com minha decisão.

Estava de férias três semanas atrás e no último dia útil das férias resolvi sair de casa. Em resumo: “havia-uma-loja-de-materiais-de-construção-no-meio-do-caminho-e-uma-lata-de-tinta-me-seguiu-até-em-casa” (foi bem assim mesmo).

Gosto de ir em lojas, mercados, acompanhada de uma lista para não esquecer do motivo que me levou a estes lugares, mas adoro de olhar tuuuuuuudo com calma. Vai que meus olhos encontram algo que eu nem sabia que precisava, né!?

E o balcão de tintas estava ali, me chamando. E essa foi a sequência de eventos ao longo de uns dez minutos:

“Vou só olhar cartela de tintas…”

“Hum, que cinzas bonitos…”

“…moço, quanto fica essa, essa, e essa cor nos acabamentos fosco e acetinado?”

Foi assim que escolhi o Minério Bruto da Coral, em acabamento fosco. Como a parede geométrica foi toda feita com tinta fosca, decidi manter o padrão. E como a cor que escolhi é escura, os problemas de sujeira aparente não acontecem como acontecem com cores claras.

Pois ainda tive que levar isso em consideração na escolha da nova cor predominante. A parede geométrica teria que ser considerada, já não ficaria bom escolher uma cor que não ornasse com as que já estão ali – e assim a cor do ano de 2018 da Coral ficou pelo caminho nas opções. Cheguei a cogitar levar um pincel teste que estava no balcão.

A renovação da sala ainda vai ter uma “fase 2”, vou editar a parede geométrica [/spoilers]. O rosinha vai ficar como lembrança da meia-parede, e o verde vai sair para dar lugar ao cinza escuro na composição. Mas a fase 2 da renovação da sala vai ficar para janeiro.

O que me motivou a correr com a mudança da meia-parede (fiz em três dias não-consecutivos) foi… Mercúrio Retrógrado, que chegou dia 03/12 e só vai retomar sua programação normal depois de 22/12. Como vou passar o Natal no Rio Grande do Sul e só volto para Curitiba dia 29/12, e, nem a pau Juvenal que vou virar o ano pintando parede haha!

(existe a possibilidade de mudar de ideia e virar o ano pintando parede? SEMPRE.)

Agora vamos ao que interessa! Dicas de pintura, incorporadas e quiçá, aprimoradas ao longo dos últimos 5 anos.

Parte 1 – lista básica de materiais:

massa corrida e massa tapa-furo para fechar buracos de pregos, buchas ou corrigir pequenas imperfeições na superfície. Para buracos de buchas eu recomendo vivamente a massa tapa-furo, que preenche o espaço melhor do que a massa corrida, uma vez que a massa corrida “encolhe” quando seca e mais retoques se fazem necessários. A massa corrida pode ser utilizada também para reforçar a fixação da fita crepe nos casos de paredes geométricas ou meias-paredes para a tinta não vazar por debaixo da fita.

20171129_082411

Estava sem tapa-furo quando arrumei a parede, tive que usar só a massa corrida… e reaplicar umas três vezes até preencher tudo.

lixa para parede 150 ou 180 (mais granulada, para o trabalho pesado) e 220 (mais fina, para acabamento).

suporte para lixa: não considero este item opcional porque nada mais desgracento do que lixar a parede “na mão”, sem qualquer intermediário entre você e a lixa. Se encontra em lojas de materiais de construção.

20171124_163652

eis o maravilhoso suporte para lixa!

fita crepe: recomendo a azul da 3M que tem uma ótima aderência e não deixa cola pelo caminho ao ser retirada.

pano sem felpas úmido para remover o excesso da poeira da parede depois de lixar.

– uma madeirinha/régua para mexer a tinta antes de tirar a porção de tinta que vais usar.

recipiente (exemplos: copinho/jarra medidora/pote de sorvete) para fazer a diluição da tinta.

bandeja de tinta + saco de lixo ou saco plástico: economiza tempo e água forrar a bandeja, recomendo vivamente.

20171130_202234.jpg

pincel para cantos e detalhamentos.

rolo de tinta de espuma ou pano no tamanho que achares mais indicado para a tua pintura. minha experiência com rolo de lã de carneiro não foi das mais positivas, então não recomendo. no caso de tintas com acabamento acetinado o rolo pode soltar pêlo e vais ganhar uma textura indesejada de presente (de grego).

jornal ou lona para cobrir o piso. não tenho mais o hábito de usar esses recursos, o que faço para evitar lambança é fazer a pintura com calma e paciência (acreditem, funciona). mantenho um pano úmido à mão para limpar qualquer respingo que escape ao ~modo zen~ de pintar parede. Mas se não tens paciência, é melhor forrar o piso mesmo. Ah, e em caso de tintas que não são a base de água, lona é item obrigatório.

OPCIONAIS:

aspirador de pó: investimento que se traduz em qualidade de vida. sério. Ainda mais para limpar o entorno depois de lixar uma parede. Tem uns modelos que não usam filtro descartável cujo compartimento onde a sujeira fica é lavável que são maravilhosos.

lixadeira elétrica + óculos de proteção + máscara.

Parte 2 – Dicas:

  • Lixar, lixar, lixar. Preparar a parede é importantíssimo. O resultado final e o número de demãos que vais precisar passar dependem muito desta etapa, e das dicas que estou compartilhando hoje essa não é negociável. As chances de terminares com uma parede manchada quando não se lixa e limpa a superfície antes de pintar são grandes. O ideal é usar uma lixadeira elétrica (ideal TOPster: lixadeira elétrica com coletor), mas nem sempre temos uma à mão, e aí o suporte para lixa entra em jogo e quebra o galho perfeitamente.
  • Depois de lixar, seja no manual ou com ferramenta elétrica, use um pano úmido para retirar a poeira que levantou e assentou na superfície. Dependendo do tamanho da superfície a ser pintada vais ter que enxaguar esse pano mais de uma vez para não transferir os resíduos de uma área para outra.
20171129_183843.jpg

limpeza da parede depois de lixar a massa corrida nessa porção. o ideal é preparar tudo antes de pintar, mas como fiz a pintura depois do trabalho tive que dividir a parede em três porções, pois em cada etapa tirava os móveis e decoração do lugar.

  • Massa corrida na fita crepe ou camadas extra de fita crepe? Ambas são boas soluções para evitar o vazamento de tinta quando se está delimitando uma área de pintura. A técnica da massa corrida dá mais trabalho porque tem que esperar secar, mas funciona. Recomendo o uso de uma régua na base da fita para evitar o vazamento da massa corrida para além da fita. Para quem não tem paciência de esperar recomendo pelo menos duas camadas de fita crepe, colocadas com cuidado sobre a superfície, impreterivelmente após as etapas anteriores (lixar e limpar).
  • Tempo de secagem da tinta: a recomendação dos fabricantes costuma ser de quatro horas entre uma demão e outra, mas vou falar na sinceridade que: se dá para tocar na superfície, aplico uma demão nova. É bem importante considerar o clima no dia da pintura. Se estiver chovendo muito ou muito úmido, isso não vai funcionar, inclusive melhor remarcar essa pintura que vai dar ruim.
20171128_084840

um registro do “durante”. acabei dividindo essa parede em duas partes porque estava sem material para preparará-la por inteiro.

Depois de três dias…

20171125_153347

antes…

20171126_143458

…e depois!

20171126_175325.jpg

20171201_140040

20171201_142013

Depois de relembrar esse processo, é bem mais provável que eu edite a parede geométrica só em janeiro mesmo…

 

 

Advertisements
Standard

One thought on “piscou, a sala mudou!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s