fikdik

das plantinhas de casa, parte I

Hoje vou falar um pouco sobre quais plantas adotei no ano da ~graça~ de 2016; e já começo contando que perdi algumas nessa jornada, mas no final do dia, o saldo é bem positivo. Ia falar de todas num único post [/seeeeenta que lá vem história]; mas não estou lembrando do nome de uma das folhagens e tio Google me deixou a ver navios, optei por dividir em duas (ou três, ou quinze) partes.

A maior concentração de plantas fica num canto da sala de casa. Esse canto seria a área da sacada, mas o proprietário fechou o espaço, o que é ótimo pois a sala ficou maior e melhor iluminada. Por muito tempo desde que mudei para cá direcionei meus esforços decorativos para esse pedaço de chão, e não faz dois meses que passei a dividir as novidades decorativas com outros cantos da sala. Ainda quero comprar um sofá e uma tv, mas sem previsão até o momento. Montar apartamento do zero tem dessas coisas, é um processo.

Voltando às plantinhas, vem comigo!

Nepeta (Glechoma hederacea)

eu & Leninha, Leninha & eu

Lena hoje cedo depois de uma faxina nas folhas feita ontem à noite. Descobri no final de semana passado que ela está com cochonilha.

Essa foi a segunda nepeta que adotei em menos de um mês. Quando comprei a primeira, pedi para o pessoal da floricultura transplantar para outra cuia com correntes e a levei numa caixa aberta para o trabalho. Lembra daquele provérbio, no creo en brujas, pero que las hay, las hay? Só sei que após chegar em casa ela não durou dois dias, não só desmaiou/murchou como esturricou. Não sabia do truque do balde (logo chegaremos lá, aguarde&confie), mas independente de regá-la, a perdi.

registro da nepeta #1, que mal chegou em casa e começou a deixar este plano 😦

Fiquei bem chateada e após duas semanas, encontrei outra nepeta na floricultura e decidi comprar, ainda que estivesse rolando uma insegurança de leve. Mas dessa vez paguei pela planta e a busquei no final do dia. Não tenho esse hábito (porque são muitas!), mas até dei nome pra ver se ela vingava: Chilena, aka Lena (obrigada Luis pela sugestão!). Lena demorou umas duas semanas para começar a desmaiar, durante uma semana muito quente aqui em Curitiba. Na época não tinha borrifador em casa, então improvisei com uma escova de dentes velha para molhar as folhas, além de continuar a regá-la por vias convencionais.

Borrifar as folhas não resolveu o problema. Já considerava Lena um caso perdido quando Simone (<3) sugeriu levá-la para a floricultura pro pessoal fazer um diagnóstico, oferecendo inclusive o transporte (melhor pessoa <3333). No dia seguinte, contei para a florista o que estava acontecendo e ela me falou que ali na floricultura eles regam as plantas submergindo o fundo dos vasos em bacias ou baldes d’ água, com um ou dois dedos de altura. A moça falou para deixá-las por cinco minutos, mas eu deixo de 20 a 30 minutos e até o fechamento deste post, nenhuma planta foi afogada mediante meu aprimoramento da técnica.

Fiz isso no mesmo dia à noite e no dia seguinte, Leninha estava vivona! Passei a usar esse método de rega com todas as minhas plantas suspensas, e em algumas outras como o lírio-da-paz que tenho no banheiro. Tua planta desmaiou? taca na bacia! Mas por favor por favorzinho, não afogue a criança. Dois dedos de água e só, mesmo para as cuias com pratos embutidos.

Como falei no post passado, uma série de variáveis influencia a frequência com que tu precisas regar tuas plantas. Lá em casa, um apartamento de andar alto e face Norte, que fica com as janelas fechadas sempre que não estou em casa (pois: Curitiba é imprevisível em termos de previsão do tempo e não quero morcegos adentrando meu lar – um dia eu entro em detalhes nesse perrengue do passado), noto que a cada três dias preciso aplicar a técnica do balde nas folhagens suspensas.

Nepeta-variegata (Glechoma hederacea variegata)

não é pokemón mas eu quero todas e em todas as variedades :B

O diferencial dessa nepeta são as folhas manchadinhas. Comprei (e a batizei de Sarumana – porque a maioria é menina nessa casa <3; e obrigada Luis pela sugestão – que acabei adaptando – parte II) para pendurar no ateliê; pois desde que destinei a outra folhagem que ali morava para ficar no quarto senti falta de ter mais verde nesse cômodo. Como o quarto é bem pequeno e tem armários EVERYWHERE! (não estou reclamando); a deixo pendurada num dos puxadores de um dos armários aéreos. Faz umas duas/três semanas que a adquiri e ela curtiu ficar perto da janela, pega o Sol do final da tarde; e de cara passei a utilizar a rega na bacia com ela; acredito que assim ficará com a folhagem cheia por mais tempo.

Planta-do-incenso (Plectranthus forsteri)

plantinha porreta essa

Essa folhagem eu comprei por engano, achando que era a que mora no meu quarto; cujo nome foi ali na esquina comprar cigarro e não mais voltou. Enquanto ia para casa cheguei a pensar que não teria sido uma boa ideia por conta do cheiro forte que ela tem, mas hoje em dia estou super acostumada. A planta-do-incenso ou incenso-bastardo tolera sol direto, apesar do ideal ser mantê-la em meia-sombra e o recomendado são regas regulares.

Lírio-da-paz (Spathiphyllum wallisii)


Resolvi comprar esse lírio depois de pedir ao florista dicas de plantas que gostassem de umidade, pois queria uma planta para ficar no banheiro. O lírio-da-paz é uma dessas plantas, e se adaptou bem ao cômodo. Um belo dia ele começou a desmaiar e aí eu já taquei na bacia. Notei que leva em média uns quatro dias entre uma rega e outra. Como falei no post da semana passada, tem que observar como as plantas se comportam no teu lar.

Marantas

Gosto muito, mas muito de folhagens, mais do que de flores. Existem Marantas com variedades de folhas diversas e cada uma é mais linda do que a outra. A primeira que adotei foi a Maranta-cinza (Ctenanthe setosa). A Maranta não tolera sol direto – as folhas enrolam se expostas ao sol, mas gosta de luz indireta. Costumo regar dia sim, dia não.

Maranta-cinza

Maranta cascavel

Maranta leuconeura

Peperômias

As peperômias são uma paixão antiga, as que eu conhecia eram na variedade da folha enrugadinha (Peperômia caperata) e a peperômia melancia. Para conseguir muda da peperômia melancia foi uma novela, mas valeu a pena esperar por quase dois meses. Costumo regar no mínimo duas vezes na semana, mas isso pode variar de acordo com a época do ano.

Peperômia melancia

Peperômia caperata

Peperômia USA (esse é o nome popular mesmo)

Me conta ali nos comentários se tu tens alguma dessas plantinhas em casa, ou se tens sugestões de folhagens – porque enquanto tiver espaço, vou continuar adotando plantinhas, haha!

Sexta tem post novo e na terça que vem volto à saga das plantas daqui de casa. Inté! =)

Advertisements
Standard
fikdik

das plantinhas


Ter plantas em casa é como adotar um bicho de estimação. Se você quer muito ter, tem que cuidar e para isso, dedicar tempo. Não adianta encher a casa de plantas e ser negligente, pois em pouco tempo o que você vai ter é um cemitério de plantas secas, o que é uma crueldade cas plantínea. Cuidar de plantas tem que ser um prazer, e não um “sacrifício”. Não pode ter “nojinho” de colocar a mão na massa, tem que saber lidar com frustrações, pois mesmo cuidando bem delas pragas podem tomar conta de uma ou de todas. Por isso a regra de ouro é observar.

Duas das lembranças mais vívidas da minha infância correspondem a dois lugares distintos, nos quais passei muito tempo: um, o quintal dos meus avós paternos e o outro, a sala do apartamento onde moramos por boa parte da minha infância.

Meus avós moravam num casarão português, daqueles que são umas ‘tripas’ de casa, com escadas e um quintal nos fundos. Muitas e muitas plantas, o pé de louro, lesmas, passarinhos, uma parreira, umidade, o piso de ladrilhos hidráulicos (<3), o cheiro de funcho, a compostagem que meus avós faziam no fundo do quintal, o depósito do vô nos fundos do quintal. Era tudo muito mágico, e na memória que guardei desse lugar, o quintal era enorme. Com o passar dos anos percebi que é uma área pequena, mas igualmente mágica.

Mais ou menos nessa época meus pais, eu e meus irmãos morávamos num prédio de apartamentos em frente à casa dos meus avós. Mudamos para lá logo que minha irmã nasceu (eu tinha uns dois anos de idade) e ali ficamos até meus 10 anos. Lembro que minha mãe tinha muitas plantas na sala de casa, a impressão que levei comigo era que vivíamos numa floresta. Muitas samambaias, avenca, e muitas violetas.

Comecei a ter plantas em casa, em quantidade, a partir de 2013. Na época dividia apartamento e minha roommate, que não tinha uma única planta em casa, concordou. Como não havia espaço suficiente no quarto, foi e é sempre legal consultar quem mora com você. Alguns meses depois mudei para a rua ao lado, mas no mesmo quarteirão, para um apartamento térreo, cuja janela do meu quarto dava para uma área interna do prédio. Era o melhor local para ter plantas, pois a sala era muito mal iluminada por conta da distribuição dos cômodos e a roommate desse apartamento não ligava muito para plantas. Nessa época cheguei a ter mais de trinta vasos de plantas, que moravam no parapeito da janela e num cavalete que ficava junto à janela.

Ainda morei em mais dois endereços no Rio, em Laranjeiras (saudades, Laranjeiras) dividindo apartamento e carregando minhas plantas comigo em cada mudança até me mudar para Curitiba e poder finalmente morar sozinha. Infelizmente não pude levar as plantas que estavam comigo, mas as deixei em boas mãos, com a última roommate que as adotou. Como minha mudança não tinha data para ser entregue – pois dependia de encontrar um lugar para morar antes de receber minhas coisas, ficou tudo encaixotado num depósito da transportadora.

E foi aqui que resolvi buscar as lembranças da infância e decidi que teria plantas, muitas plantas em casa. Não muito tempo atrás li a notícia de uma moça que cultiva mais de 500 plantas dentro de casa. Acho lindo, mas meu objetivo não é bater recordes ou me preocupar com números (é igual tatuagem, gente, parei de contar faz muitos anos), até porque novamente, ter plantas em casa é um prazer aliado à uma necessidade pessoal de ter vida dentro de casa. E cada planta é uma vida que se deve tratar com respeito.

Por ser muito caseira, sempre foi uma meta pessoal transformar meu canto num lar. Por muitos anos não tive grana ou liberdade para mexer na decoração de onde morei, e foi apenas de uns anos para cá que isso começou a mudar. Adotar plantas foi a solução em muitos desses lares onde eu não podia mexer em mais nada.

Quanto a métodos para o cuidado de plantas, isso depende muito da planta que você decidir adotar. O que aprendi foi fruto de prática e curiosidade. Pesquisar, trocar ideias e consultar pessoas que trabalham em floriculturas é excelente, mas abra o olho com conselhos muito genéricos do tipo: “rega uma vez por semana”. Se isso for dito para qualquer planta, vá atrás de mais informação.

O que costumo fazer é prestar atenção nas minhas plantas, diariamente. Se começam a murchar, é porque estão sem água, e às vezes regar não é o suficiente. No caso das plantas que ficam suspensas, o que me ajudou a salvá-las (pois mesmo regando continuavam com as folhas murchas) foi colocá-las dentro de uma bacia com uns dois, três dedos de água no máximo por uns 20 minutos, a cada três dias, aproximadamente. Mas isso varia de acordo com o clima de onde você mora, se seu apartamento fica com as janelas fechadas o dia inteiro ou não. O mais importante no cuidado com plantas é saber observar. Se a superfície do vaso estiver seca, regue. Outro fator bem importante é escolher vasos com furos na base, para escoar a água excedente. Não queremos apodrecer as raízes, certo?

Plantas precisam de claridade. Algumas, de sol direto, enquanto que outras não toleram sol direto. Por isso é sempre bom pesquisar sobre o tipo de planta que se pretende adotar. Com base nisso você vai escolher os melhores lugares da sua casa para coloca-las, e tem que haver esse tipo de preocupação porque ficar mudando as plantas de lugar muito seguido não é bom.

Num próximo post vou falar das plantas que tenho em casa atualmente.

Standard
caro diário

MÁ OIÊ (cara de quem não passou 377 dias longe disso aqui)

Sei que já ensaiei mais voltas do que existem temporadas de turnês de despedida de [insira o/a cantor/a/banda prestes a se aposentar desde 1997 de sua preferência]. A principal desculpa foi a transição do blog para o domínio próprio. Passei maus bocados tentando instalar o WordPress no CPanel da conta de hospedagem que eu tinha. Até isso foi para o beleléu porque a empresa a qual contratei por mais de dez anos não quis manter meu plano – que era diferenciado justamente pelo tempo que eu mantinha essa conta – quando pedi para mudar de um domínio para o outro e os mandei para o limbo do esquecimento. Se eu parar para contabilizar o quanto gastei de dinheiro nesse tempo todo, levando em consideração alguns desses anos apenas pagando a manutenção da conta sem usar nada… melhor não saber e bora deixar esse rancor ir embora.

Ainda sei como resolver, mas não vou deixar mais de publicar posts por conta disso. Ainda mais agora que ando tão empolgada em compartilhar as coisas que tenho feito em casa de dois anos e meio para cá: decoração de interiores, DIY, jardinagem… até me aventurar na cozinha eu voltei depois que mudei de endereço em março desse ano. Tempo a gente sempre arruma para fazer o que gosta, o negócio é organizar e otimizar a vida.

– Mas o que você fez esse tempo todo, Bones?

Deixar a vida online eu jamais deixei, mas com o tempo fui escanteando certos hábitos. Eu que era fissuradíssima no Twitter fui utilizando muito de vez em quando ao longo dos últimos anos e essa é uma rede social a qual se não estás ali acompanhando tu perdes muito facilmente o fio da meada do que está rolando e meio que perde a graça. É como chegar na festa com três horas de atraso e perder o parabéns.

Por outro lado, estive muito presente em duas outras redes sociais, minhas favoritas daqui até a eternidade: Instagram e Pinterest. Em ambas consigo explorar minhas paixões pela fotografia e pelo design de interiores. Minha missão nessa vida adulta é a de transformar meu canto num lar, porque amo voltar para casa no final do dia. Tenho feito isso mais intensivamente ao longo dos últimos três anos. Ainda alugo e divido apartamento, mas isso não impede que eu deixe meus espaços com a minha cara. Até dar uma mexida aqui e ali em alguns espaços compartilhados já dei (obrigada, roommie que curtiu as intervenções! 🙂), como vocês verão nos próximos capítulos.

A seguir uma prévia do que vem por aí:

tem dicas de decoração de interiores? tem, sim senhor!

jardinagem

lugares bacanas para conhecer   

DIY

receitinhas

e o projeto que adotei para a vida

Standard
caro diário

quem é vivo sempre aparece

*espanando a poeira*

Pois a vida aprontou mais uma das suas (meu último contrato de trabalho encerrou no final de março e venho a ver navios em termos de vagas de emprego desde então.) e passei um bom tempo sem vontade de escrever. Mas s(m)eus problemas acabaram! – Na verdade, não, os problemas nunca acabam, o que pode mudar é a tua atitude em relação a eles, uma das poucas coisas sobre as quais podemos ter algum controle nessa vida.

Não vim aqui apenas tirar a poeira do blog e chorar as pitangas. Tenho algumas novidades para anunciar: em breve mudarei o conteúdo para um domínio próprio e estou empolgada trabalhando nos detalhes do layout. Como faz muito tempo mesmo que não mexo no Photoshop para fins de ~layoutar~, deve ser algo bem simples mesmo. Taí o banner novo que não me deixa mentir <3.

Tem dois posts no forno para sair antes da mudança do blog: um sobre minha rotina de cuidados com os cabelos (por conta desta postagem no Instagram) e outro sobre as pirações decorativas que fiz no meu quarto de algumas semanas para cá.

Enquanto isso fiquem com esse registro do final de tarde que eu teria perdido se tivesse ficado em casa mimizando sobre tudo o que não deu certo na vida até agora. Nesse dia estava batendo perna na SAARA atrás de material para os DIY’s recentes e esse céu me lembrou muito o “céu de inverno” que me acostumei a ver da janela de casa, no Rio Grande do Sul. ❤

10471965_290586661119326_1354230248_n

Standard