caro diário

MÁ OIÊ (cara de quem não passou 377 dias longe disso aqui)

Sei que já ensaiei mais voltas do que existem temporadas de turnês de despedida de [insira o/a cantor/a/banda prestes a se aposentar desde 1997 de sua preferência]. A principal desculpa foi a transição do blog para o domínio próprio. Passei maus bocados tentando instalar o WordPress no CPanel da conta de hospedagem que eu tinha. Até isso foi para o beleléu porque a empresa a qual contratei por mais de dez anos não quis manter meu plano – que era diferenciado justamente pelo tempo que eu mantinha essa conta – quando pedi para mudar de um domínio para o outro e os mandei para o limbo do esquecimento. Se eu parar para contabilizar o quanto gastei de dinheiro nesse tempo todo, levando em consideração alguns desses anos apenas pagando a manutenção da conta sem usar nada… melhor não saber e bora deixar esse rancor ir embora.

Ainda sei como resolver, mas não vou deixar mais de publicar posts por conta disso. Ainda mais agora que ando tão empolgada em compartilhar as coisas que tenho feito em casa de dois anos e meio para cá: decoração de interiores, DIY, jardinagem… até me aventurar na cozinha eu voltei depois que mudei de endereço em março desse ano. Tempo a gente sempre arruma para fazer o que gosta, o negócio é organizar e otimizar a vida.

– Mas o que você fez esse tempo todo, Bones?

Deixar a vida online eu jamais deixei, mas com o tempo fui escanteando certos hábitos. Eu que era fissuradíssima no Twitter fui utilizando muito de vez em quando ao longo dos últimos anos e essa é uma rede social a qual se não estás ali acompanhando tu perdes muito facilmente o fio da meada do que está rolando e meio que perde a graça. É como chegar na festa com três horas de atraso e perder o parabéns.

Por outro lado, estive muito presente em duas outras redes sociais, minhas favoritas daqui até a eternidade: Instagram e Pinterest. Em ambas consigo explorar minhas paixões pela fotografia e pelo design de interiores. Minha missão nessa vida adulta é a de transformar meu canto num lar, porque amo voltar para casa no final do dia. Tenho feito isso mais intensivamente ao longo dos últimos três anos. Ainda alugo e divido apartamento, mas isso não impede que eu deixe meus espaços com a minha cara. Até dar uma mexida aqui e ali em alguns espaços compartilhados já dei (obrigada, roommie que curtiu as intervenções! 🙂), como vocês verão nos próximos capítulos.

A seguir uma prévia do que vem por aí:

tem dicas de decoração de interiores? tem, sim senhor!

jardinagem

lugares bacanas para conhecer   

DIY

receitinhas

e o projeto que adotei para a vida

Advertisements
Standard
caro diário

voltei a blogar porque senti saudade (beijo, Chico! <3)

Perdi a conta de quantas vezes ensaiei voltar a escrever.

Minha desculpa oficial desde 2007, 2008 era a de que minha vida acadêmica estava ~no caminho~ e convenhamos que eu nunca fui uma pessoa muito: 1) focada 2) organizada, e apesar de lutar contra essas duas características por muitos anos (porque ouvi a vida inteira que a falta de ambas não me permitiria ser uma pessoa bem-sucedida), cheguei num ponto onde travei no meu processo de escrita acadêmica e isso refletiu nas minhas atividades não-acadêmicas, tanto de escrita como de leitura. O resultado foi passar meses sem conseguir ler sequer aos classificados do jornal pois cinco segundos depois perdia completamente a noção do que estava lendo.

Um dia a gente senta pra conversar sobre isso.

Algum tempo depois dessa fase, em 2012, retomei a vontade de escrever e cheguei a registrar um domínio, o andyourbirdcanblog.com, mas nem dois meses depois minha vida virou de cabeça para baixo e o “projeto” foi deixado de lado para que eu pudesse reorganizar minha vida. Hoje em dia acho que voltar a escrever naquela época poderia até ter me ajudado. Não que eu fosse comentar especificamente sobre minha vida pessoal (sou da galëre que fazia do blog um diário pessoal #oldschool – sendo que para posts mais detalhados existia(e?) o Livejournal, aquele lindo <3), mas escrever sobre coisas das quais gosto teria sido bacana.

E essa é ideia aqui.  🙂

Ainda em 2012, me mudei para minha cidade natal (Rio Grande/RS) e passei a me interessar mais por fotografia. Sempre achei bacana, sempre tirei fotos aqui e ali (inclusive foi naquele ano que passou a existir a versão do Instagram para Android – e haters hatearam & mimizaram a respeito) mas foi durante aquele período que passei a observar mais as coisas ao meu redor, e a trabalhar meu olhar e a forma como eu o registrava nas minhas fotos.

Desde então minha identificação (e dedicação) com o Instagram foi total. Outra rede social com a qual me identifico muito é o Pinterest, aguarde&confie que ainda escrevo um post sobre isso.

Pois dentre as fotos que compartilho no Instagram estão as de coisas que faço de vez em quando para incrementar a decoração do meu espaço, e desde então recebi reações bastante positivas, tanto que foi esse o empurrão que me faltava para voltar a escrever. Gosto muito de compartilhar coisas, trocar ideias, informações. É quase uma reação automática quando alguém elogia um sapato ou roupa que estou usando eu contar onde comprei. Não podia ser diferente com as minhas ~decorações~.

Pois agora habemus um blog novinho em folha, com muito espaço e vontade de escrever para registrar tudo o que vejo, leio e faço por aí.

Standard